quinta-feira, 8 de novembro de 2012

IDEIAS INICIAIS



Tenho andado muito saudosa das histórias que eu ouvia, dos cheiros, dos barulhos, dos encantos dos cantos escondidos, nos armários e gavetas das casa dos meus avós.



A vontade de escrever um livro, um romance sobre as minhas memórias e ricas de tantos personagens veio com força total quando a Caixa de Pandora chegou. É que sou artista plástica e educadora, tenho mania de criar desconstruindo coisas, este projeto é para um Museu Brasileiro, o MUBE, mas a explicação do que é todo este projeto fica para uma outra ocasião, ou você pode ir ao blog: Caixa de Pandora no MUBE e entender o que vai acontecer por lá...



Balaio de vidas

Vou trazer recortes das minhas memórias e colocar dentro de um cesto, colocar sobre a mesa, acender a vela, e para a cada pedaço de papel que eu ler, sentir seu cheiro, sua textura, deixar que a lembrança ou a imaginação conduza a história e a fantasia do momento vivido ou imaginado nos países que estes personagens viveram, amaram, lutaram e sonharam um dia com outros momentos aqui no Brasil.

Gostou??? Perguntei eu à Cecília. (E esse "a" leva crase? Pergunto agora.) - Dúvidas como esta, serão discutidas aqui... Mas voltando... Ela me respondeu: Acho ótima, pq (abrev. de porque pelo bate papo do Facebook) o que se vê em termos de blog com intuito criativo e que possa ser usado em sala de aulas, por exemplo, é muito fraco sem criatividade... Uma ex-aluna me enviou um material de uma editora, pra (abrev. novamente) livros didáticos, perguntando se queria fazer um trabalho semelhante. Qdo fui ver, é muito chato!!!!! E não tem margem pra criar é aquele quadradinho mesmo... Vá à criação!!!! (Cecília é professora de português) bjs

E eu fui... Criei coragem e estou aqui escrevendo as primeiras linhas deste livro blog, e desde então, nesta viagem didática não estarei sozinha, carrego além das minhas memórias mortas e vivas, meus personagens próprios que vão permear muitas das histórias aqui contadas e quem vai ajudar a virar as páginas deste livro é a minha amiga Maria Cecília Pinho, vamos sentar juntas, olhar e ler os esboços das palavras, discutir e elaborar melhor a escrita, na revisão dos textos e colocação das idéias.

Temos a ideia de comentar abaixo dos textos escritos, colocando nossas posições para melhorar a estrutura e o entendimento da construção literária, por isso não se assuste se estiver se percebendo como espectador de nossa conversa. Este momento deve ser gostoso, como o cheiro do café que está sendo coado e do bolo de milho que já, já, sai do forno.

Um desafio literário virtual e educativo (espero que dê muito certo). Teremos algumas abas (páginas) na parte superior no início do blog, que vão servir como um índice, um novo recurso do Blogger que aprendi a usar agora. Uma destas páginas só para discussão, questões maiores para não desviar muito a leitura da história também, se não, vou perder o foco (o que já não é muito difícil).

Sejam muito bem vindos! 

Sou Titina Corso, artista plástica, pedagoga, escritora (sempre escrevi poesias, com algumas premiadas e publicadas, artigos em jornais e revistas, mas este é meu primeiro livro), vou ali pegar umas fotos e um dicionário. Já volto! 

Pode entrar que aqui a casa é sua!

(aqui eu gostaria de colocar uma foto antiga... O quê vc acha Cecília? Melhor deixar sem imagens para aguçar a imaginação  dos leitores?) - Cecília achou que eu deveria colocar a foto... Coloquei...


E nas mãos tenho a foto antiga da minha avó paterna, Carolina, 44 anos... Quero pintar essa mulher com a idade que não a conheci, envelhecer minha memória até que eu ainda a reconheça... 

(aqui eu gostaria de colocar a foto da obra atual... Faço a mesma pergunta. Imaginação?) - Concordamos que a imagem seria justa...

E Carolina ficou assim...

Assim minhas memórias são reativadas em vários trabalhos que construo. Essa foi uma obra de pintura importante que já viajou para as terras de origens dos meus antepassados. E traz o cheiro da renda negra dobrada e guardada em uma de suas gavetas...

Aqui fica a minha reverência aos vários personagens que existiram, que foram imaginados e não existiriam sem a minha memória destas vidas. 

Segura aqui este balaio, mas não mexe nos papéis até eu voltar! Curioso(a)!? Tá legal, eu deixo você olhar o que tem escrito aí, tá vendo esta foto? Reconhece alguém? É você? Incrível!!! 



Um comentário:

  1. Uma foto antiga? Muito bom.
    Qto à crase, neste caso é pertinente ...rsrsrs

    ResponderExcluir

Voltamos logo com a nossa posição a respeito do seu comentário.
Muito obrigada por participar desta construção literária junto conosco.